domingo, 25 de outubro de 2009

Depois do silêncio... a alma.

Agora respiro poesia e injeto doses altas do veneno da vida na veia, numa tentativa de decifrar qual é a face do teatro contemporâneo. Isso faço com a ajuda indispensável de Marici Salomão, a quem tenho de agradecer pela dura, intensa e indispensável orientação por este caminho tão tortuoso e cheio de mistérios da dramaturgia.

Rezo para que as minhas palavras carreguem sempre verdade e permitam que alguém (pelo menos um espectador na plateia, como relatou certa vez Marta Graham sobre Lamentation) possa se espelhar e ampliar seu horizonte para além da superfície exposta ao nosso olhar.

Aqui nascerão e jazerão novas cenas de um teatro novo, bruto, humano e prenhe de antinomias.

Boa fruição!

Lia

domingo, 5 de julho de 2009

ZYVOX

Eu me deixei sozinha
sob votos de silêncio
lá fora, tudo era som
mas eu não ouvia
a janela do quarto
fechada
transparecia a vida
eu ia lendo as parábolas nas entrelinhas
do lençol branco manchado de matéria humana
As horas eram miúdas
gota a gota ia vendo os minutos passarem
como o sol e a lua
onde está o meu caderno de escritos?
queria poder organizar as palavras
mas as letras caíam do céu sobre a sopa
feita sem sal
e eu as comia sem ler o que escreviam
só agora penso:
talvez quisessem me mostrar alguma mensagem de Deus
Quebrando o silêncio...

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Zonas de Convergência


Caminho sobre nuvens

Feito anjo

Lá embaixo, os temporais








sábado, 30 de maio de 2009

CHAMA EM FLOR


A vontade de escrever dói, a vida consome

Vez por outra a palavra brota, como flor

E a chama acende

terça-feira, 26 de maio de 2009

BEIJA-ME // SOB O COBERTOR :: Duplix

*
Manhã
de sono
// Ao teu lado
Com o teu
beijo
// Acordo
Desperto
para o desejo
// E ainda sonho

sábado, 23 de maio de 2009

Sob o cobertor (Beijo)

video

Ao teu lado
Acordo
E ainda sonho